A Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP) deflagrou a terceira edição da “Operação Metallis” para combater o aumento do número de furtos e fiações e fontes luminosas na capital baiana. A ação foi realizada nesta quarta-feira (26), nas áreas do Centro, Brotas, Comércio, Vasco da Gama e Tororó, após solicitação da Diretoria de Serviços de Iluminação Pública de Salvador (DSIP).

A iniciativa conjunta, coordenada pela SSP-BA, une a DSIP, as Polícias Civil, Militar e Técnica, além do Corpo de Bombeiros Militar, Coelba, Embasa, CCR Metrô, empresas de telefonia, Guarda Municipal de Salvador,  e dentre outros órgãos, que agem combatendo o comércio ilegal de cabos de cobre e outros equipamentos.

Responsável pela operação, o coordenador da Diretoria de Planejamento de Operações Integradas da SSP, Coronel Raimundo Cerqueira, afirmou que as situações que envolvem furtos e roubos de metais, principalmente de cabos elétricos, têm uma repercussão muito grande no contexto social.

“A gente sabe que esse tipo de furto impacta diretamente na prestação de serviços essenciais, nas questões relacionadas à segurança, na iluminação pública, na interrupção de serviços como transporte metroviário, serviços de comunicação, de telefonia, provedores de dados. É uma série de transtornos, então essa é uma operação de  grande importância para a sociedade. E com certeza trabalhando juntos conseguimos melhores resultados”, disse.

O diretor de Iluminação Pública de Salvador,  ngelo Magalhães destacou a importância de agir de forma integrada para combater os furtos de fios e cabos na capital.

“Infelizmente, a situação de vandalismo e furtos tem se agravado em nossa cidade. Os prejuízos são inúmeros, e a população é a maior prejudicada. Todos os dias recebemos denúncias de locais escuros e fiações expostas decorrentes de atos criminosos.  Sei da eficácia desta operação, por isso, fiz questão de solicitar o apoio da SSP, e agradeço por atender nosso pedido”, afirmou.

PREJUÍZO 

Para repor fiações furtadas da rede de iluminação pública de Salvador, a Prefeitura, por meio da DSIP, gastou em torno de R$ 1,5 milhão em 2022. Este ano, os números tendem a aumentar já que os primeiros meses apresentaram um crescimento de 24,4% nas ocorrências de roubos e furtos em comparação ao mesmo período do ano passado.

“As ações criminosas, além de afetarem os cofres públicos, prejudicam a iluminação das vias da capital, impactando diretamente na segurança da população”, afirma o gerente de manutenção da DSIP, Leonardo Pimentel.

Na ação de 2022 mais de 4 toneladas de fios de cobre e de alumínio de origem não comprovada foram recuperados em estabelecimentos de revenda nos bairros de Valéria e Pirajá. O material foi avaliado em cerca de meio milhão de reais.

Conforme o Código Penal, destruir, inutilizar ou deteriorar a coisa alheia, pode gerar pena de detenção, de um a seis meses, ou multa.

Sobre o autor

Matérias relacionadas